HOMEPAGE
WORKS:
• Alijó
Almas de Fala I
Almas de Fala II
ANO
Bellynavel
Casa Duna/Dune House
Clone.AID
• Coimbra Termica
• CompactHouse I
CompactHouse II
CompactHouse III
CraftShopHouse
Encaje
• Endoclab
Habitação Braga
Habitação Cantanhede
Habitação Joane
Jazigo I
Jazigo II
Lareno
Le Palais
Level House
• Misericórdia
Quinta das Pirâmides
Santos da Casa
• Satelite
T3
• To Catch a Thief
• Vale d'Égua

CONTACTOS / CONTACTS

LIGAÇÕES / LINKS

Favorites:
Ballardian
Beware of the Blog
Pruned
UbuWeb

Sites:
Aquarius Records
Avant Garde Project
Clubotaku
Criterion
Fire Girl
i love you pony
Internet Archive
mimi records
Philip K.Dick (trust)
The Wire
Tomatique
Trevor Brown
Vicki Bennett

Blogs:
A Barriga de 1 Arqtº
Agence eureka
Archidaily
Archidose
Archinect
BibliOdyssey
BLDGBlog
Complement.Inversion.Etc
Continuo's Weblog
Journal des Vitrines
Loureiro hobby-horse
ModernMechanix
MoCo Loco
Paleo-Future
The Art of Memory
The Third Mind
William Gibson

ZapGunOnVimeo
------------------------------
+ + + +

uma espécie de broccoli

The sky above the port was the color of television, tuned to a dead channel
First line of Neuromancer, a novel by William Gibson

NOTA:As páginas do Broccoli serão gradualmente transferidas para o ZapGunBlog
NOTE:The articles of Broccoli will be slowly moved for the new ZapGunBlog section

L'Elisir d'Amore (28/11/2007)
100 mph (09/01/2007)
América Sideral (21/05/2006)
O factor K (03/03/2006)
Drone United! (17/02/2006)


O factor K

O nome ZapGun deriva de uma história de Philip K. Dick, publicada, primeiro, em vários fragmentos na revista americana Worlds of Tomorrow sob o título Operation Plowshare, entre Novembro de 1965 e Janeiro de 1966 e, posteriormente, em 1967, publicada em livro numa edição Vintage, já com o título The Zap Gun.

Escrito na década de 60, período mais prolífico do escritor, com mais de 20 livros publicados, The Zap Gun é considerada uma obra menor de Philip K. Dick. Para muitos, é mesmo a pior das suas histórias e, o próprio Philip K. Dick, mencionando esta obra um ano antes da sua morte, em Abril de 1981, diz em entrevista:

Grande parte delas (das histórias) são ganha-pão. Não o foram intencionalmente, aconteceram assim. Escrevo sempre o melhor que posso. Mas por vezes falta-me o fogo sagrado que inflama o meu talento à, percebes, genialidade e acabo por ficar com uma penosa Zap Gun... a primeira metade é impossível de ler, sem quê, nem porquê... mal consigo reconstruir o raciocínio que está na base da primeira metade desse livro. Totalmente ininteligível. 1

Com efeito, esta obra não é, muito longe disso, uma obra que se destaque por entre os 44 livros publicados e as mais de 120 histórias curtas do autor. Abrange, no entanto, os elementos que tornaram Philip K. Dick único entre os restantes autores de ficção científica: compondo enredos num contexto em que a realidade só é tangível com a imaginação, K. Dick coloca os conflitos psicológicos do homem comum no centro das histórias, conflitos que nos são tão próximos. Foi assim nas melhores obras do escritor, como em A Scanner Darkly (O Homem Duplo – Livros do Brasil, Colecção Argonauta, nº316), Ubik (Europa América, Colecção de Ficção Científica, nº6) ou em Flow my Tears, the Policeman Said (Vazio Infinito - Europa América, Colecção de Ficção Científica, nº57). Mesmo em Do Androids Dream of Electric Sheep?, obra que celebrizou Philip K. Dick junto a um vasto público através da adaptação cinematográfica de Ridley Scott em Blade Runner – Perigo Eminente, são os dilemas psicológicos e morais do protagonista, Rick Deckard, que conduzem a narrativa.
Em The Zap Gun (publicado em português sob o título A Arma Impossível pelos Livros do Brasil, Colecção Argonauta, nº342) estas variáveis não se alteram. Philip K. Dick utiliza o cenário da guerra-fria projectada para 2002, num futuro que já ultrapassámos, onde o equilíbrio das tensões entre os blocos soviético e americano era mantido à custa de “estilistas” de armas cuja função era imaginá-las, o mais destruidoras possível. Do lado americano, atravessando uma crise existencial, Lars Powderdry era o estilista mais conceituado. No bloco de Leste, a temível (em vários sentidos) Lilo Topchev era a estilista de serviço.
Sob uma ameaça alienígena, os dois blocos decidem aliar as duas mentes para idealizar uma arma conjunta que salvasse o mundo dos satélites extraterrestres. Tudo se complica quando Lars é atraído pela beleza de Lilo e não evita a paixão, mesmo sabendo que a missão dela é matá-lo.

Curiosamente, o título desta obra surgiu antes da novela e foi proposto pela Pyramid Books, como documenta a carta enviada a Dick, em Novembro de 63, pelo seu agente Scott Meredith:

Caro Phil,
Fico contente por te comunicar que temos uma encomenda para ti de uma novela na Pyramid Books. Tivemos uma reunião com o Don Benson, o editor deles, e ele tem uma ideia para uma história de ficção cientifica com o nome THE ZAP GUN.
Claro que reconheces a Zap Gun do antigo Buck Rogers. O Don quer que escrevas uma história num tom sarcástico, mas com a possibilidade de abordar armas futuristas. Essas armas estão cada vez mais presentes no imaginário devido às recentes experiências com raios laser.
Don concordou em contratar-te com base num resumo detalhado e pagará $1500: $500 com a assinatura do contrato, $500 com a conclusão e $500 com a publicação.
Espero que esta ideia te agrade, fico à espera que me envies um resumo.
Até lá, cumprimentos. Scott
2


1(Tradução Livre) The Zap Gun, Carol & Graf Master of Science Fiction. Third printing, 1983, pg. 253;
2(Tradução Livre) Correspondência retirada desta página de fans;




-Mais informações relativas a K. Dick poderão ser obtidas na página oficial ou nesta página de um clube de fans.
-Uma lista de obras de Philip K. Dick publicadas em Portugal, compilada pela Ficção-Online, poderá ser visualizada aqui.
-As capas das diversas publicações de The Zap Gun foram retiradas da página oficial do autor.

VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA

2006-2011 ZapGun/Wiki powered by PmWiki   ‡   ©1998-2011 ZapGun-Projectos,Lda